‘Conecta’ entre FNCC e Filiadas tratou de ferramentas de gestão e segurança

banner-728x380--news-conecta-fncc-18

Participação maciça das filiadas, reforça a união cooperativista

No último dia 22 de maio aconteceu o encontro regular entre FNCC e cooperativas filiadas. O encontro que ganhou ares de modernidade com Conecta, nome e logo novos, trouxe, para o debate, modelos de gestão e funcionalidades para uma melhor performance das cooperativas em diversas áreas.

O diretor presidente da Federação, Wanderson de Oliveira, foi quem abriu a reunião. Após o boas-vindas às 13 cooperativas filiadas presentes, Wanderson apresentou a pauta do dia e os especialistas representantes do Sescoop, Padrão Auditoria e Pellaris Security, que trariam os detalhes sobre cada assunto. Entre eles: inovação e eficiência em ferramentas de gestão, mensuração de resultados e anti ataques cibernéticos. Confira detalhes.

GDA

Na abertura das discussões, Luiz Fernando Santos, Consultor Técnico Econômico do Sescoop, apresentou o desenvolvimento do GDA, o Programa de Acompanhamento Econômico-Financeiro das Cooperativas que funciona como instrumento de diagnóstico e apoio à gestão cooperativista.

Luiz explicou várias de suas funcionalidades e falou a importância da análise de medidores individuais para comparação com o panorama geral do estado de São Paulo. “A ideia é que avaliem individualmente, mas também comparem. É aquela velha história: estou bem ou estou mal? Estou favorável ou desfavorável? A ideia do GDA é fornecer essa comparação”, ressalta Luiz Fernando.

PDGC

Daniela Morais, consultora regional do Sescoop, foi a responsável pela apresentação do PDGC- Programa de Desenvolvimento para Gestão de Cooperativas –  que tem como objetivo promover a adoção de boas práticas de gestão e de governança.

De acordo com Daniela, a ferramenta oferece diagnósticos e oportunidades de melhoria que começam já na elaboração do planejamento estratégico, facilita o controle e gera relatório com indicadores para acompanhamento. “Para uma atividade excelente é necessário refletir sobre a melhoria dos processos e desenvolvimento de visão sistêmica de gestores, diretorias e colaboradores”, enfatizou.

Pauta

Acordo coletivo

Depois de apresentar ferramentas e debater assuntos internos, Ivo Lara, diretor financeiro, comentou sobre o acordo coletivo. A FNCC apresentou o projeto, que visa, junto com todas filiadas, unificar as cláusulas de data base e benefícios.

O acordo tem cerca de quatro meses de desenvolvimento e já conta com condições básicas elaboradas. Após o Conecta, as federadas que aceitaram as condições obtiveram a minuta para levar até a diretoria das cooperativas – a fim de avaliar os impactos e estratégias.

GRUPO DE ESTUDOS

BANCOOB

Na sequência, André Brone, Diretor Administrativo da FNCC, falou sobre o grupo de estudos que avalia produtos e serviços que o Banco Cooperativo do Brasil oferece à federação e suas filiadas. Produtos que, para serem colocados em prática, precisam deixar claras suas reais funcionalidades e benefícios.

E para tomar essa decisão a FNCC conta com o grupo de estudos e participação das filiadas. A implantação de novos serviços e benefícios pode ajudar no crescimento e fortalecimento das cooperativas filiadas além de atrair e fidelizar cooperados, mas é consenso que este é um assunto que precisa de muito estudo.

Por isso, para essas avaliações André pediu a colaboração dos membros da reunião mediante ajuda voluntária.

Sicoob cecres

Para encerrar a reunião, Taís Di Giorno, gerente geral do Sicoob Cecres, relatou o crescimento da empresa nos últimos anos. “A cooperativa filiou-se  ao maior sistema financeiro cooperativo do país em 2015 e hoje vê seu quadro de cooperados dobrar e após três anos de filiação, colhe excelentes resultados”. Hoje o Sicoob Cecres conta com aproximadamente 6 mil contas correntes, 14 mil sócios e uma agência para atendimentos presenciais aos cooperados. Em breve, a cooperativa permitirá a adesão de familiares de cooperados e assim, pretende alcançar a marca de 50 mil sócios.

Segurança de dados

Nova resolução do Banco Central

Vazamento de dados e ataques cibernéticos foram discutidos durante o encontro

F abrício Koeke, sócio da Padrão Auditoria, e Vinícius Rodrigues especialista de TI da Pellaris Security, fizeram duas longas e esclarecidas apresentações sobre a resolução nº 4658 de 26 de abril de 2018, do Banco Central. Os presentes puderam se inteirar sobre a integração das resoluções de Riscos – GIR e Segurança Cibernética.

O auditor alertou sobre os riscos de não cumprir normas e certificados, segurança de aplicativos, prevenção de invasões, definição de políticas, contratação de profissionais específicos para auditoria, entre outras normas.

Já Vinícius falou sobre os ataques cibernéticos mais comuns nos últimos anos, mostrou cases de ataques arrasadores a grandes empresas brasileiras e internacionais e fez um alerta: “criminosos virtuais usam métodos similares para roubar dados financeiros de redes corporativas e computadores pessoais, que cuidados básicos e ações simples poderiam evitar”.